Garopaba é modelo de boas práticas na Educação

by | Sep 20, 2019 | Comunidade | 0 comments

Olhando de fora, o Centro Educacional Ibiraquera parece uma pequena escola de bairro. Mas quem cruza os portões descobre um universo de conhecimento, dedicação e amor. A instituição, que fica localizada no bairro garopabense da Grama, possui um dos maiores Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) da Grande Florianópolis – 7.2 – e, juntamente com a Escola Norberto José Floriano da Silva, da Encantada, trouxe para Garopaba o projeto Educação que Faz a Diferença, desenvolvido pelo o Tribunal de Contas da União (TCU), os Tribunais de Contas dos Estados e o Instituto Rui Barbosa. As instituições foram procuradas para a coleta de dados e o reconhecimento pelo excelente índice do IDEB. Em 2020, um relatório será publicado com as melhores práticas das escolas de todo o Brasil.

Meio século ensinando valores

O Centro Educacional Ibiraquera foi fundado em 1946, na casa do seu Marcos Ferreira (em memória). Passou para a casa do seu João Constâncio (em memória) e, desde 1990, conta com suas duas salas iniciais. De lá para cá, o aumento do número de estudantes fez com que a escola fosse sempre adaptada, com um “puxadinho” aqui e outro ali, sem nunca deixar de atender a comunidade. Hoje são 350 alunos do pré ao quinto ano e mais de três gerações que tiveram suas primeiras lições na instituição. “Meu pai estudou aqui, e eu e também os meus filhos”, conta a Diretora Maria Odete Adelino Carvalho.

Todos juntos pela educação

A surpresa do Tribunal de Contas ao encontrar uma pequena escola, com recursos limitados entre as melhores do estado é justificada pela união de toda a equipe e também do envolvimento dos pais. “Temos um time maravilhoso, que pega junto e não mede esforços para que os projetos sejam bem desenvolvidos”, aponta a diretora Maria Odete. “As formações, os cursos e também e as parcerias também fazem a diferença”, completa a Coordenadora Pedagógica de Alfabetização, Leila Borges Teixeira.

Mãe da Sophie e do Gael, a Dolores Moreno é uma defensora quando o assunto é o CE Ibiraquera. “Eu sou apaixonada por esta escola”, conta. “A qualificação de todos os funcionários, o carinho, o cuidado de cada um é algo fantástico! Os projetos, que mostram a teoria na prática. E principalmente, a oportunidade para o relacionamento família e escola, que é tão importante no desenvolvimento das crianças.” E os alunos não pensam diferente. O João Vittor Marcelino lamenta que terá que sair no ano que vem, quando for para o sexto ano. “Aqui eu tenho muitos amigos, tem os livros da biblioteca e a quadra grande pra brincar. Se tivesse como, eu ficava estudando aqui”, revela.

Aprendendo a viver

Entre os projetos, a valorização da cultura local, que integra os pequenos com as raízes da comunidade, como o exemplo do quarto ano, que plantará uma rocinha de mandioca para fazer farinha no ano que vem. Eles também cuidam da própria horta, das galinhas e do coelho Cenourinha, que tem uma casa com telhado verde. A separação do lixo é tema presente, mostrando a consciência ambiental que os estudantes desenvolvem ali. Os projetos são muitos. “Precisamos ser criativos e estar sempre inovando para vencer a concorrência que as mídias como redes sociais e jogos exercem sobre o conteúdo escolar. Fica difícil competir”, pontua a professora Luciane Adelino Monteiro. Há 24 anos na instituição, ela se emociona ao responder o quê a motiva a buscar sempre o melhor: “Um professor não se forma. Ele já nasce professor. Diante de tantos desafios, o professor de verdade se entrega para ver os resultados. Estamos preparando as crianças para o amanhã. É uma dedicação que vem do amor.”

Fotos: Glaucia Rosa Damazio