Macrobiótica: você é o que você come

by | May 14, 2019 | Corpo e Mente | 0 comments

Muito além de uma dieta, a macrobiótica se apresenta como um estilo de vida que busca a independência do Ser por meio do autoconhecimento

O significado do nome Macrobiótica – macro= grande,
bio= vida, otica: visão – “Visão de longa vida” já não dá conta do sentido desta prática milenar vinda da China. “O macro (grande) não existe sem o micro (pequeno), que são os trilhões de micro-organismos que sustentam nossas vidas. Esse termo caiu em desuso por ter sido abordado superficialmente e hoje, o estilo de vida é denominado Autoeducação Vitalícia; ou seja, você se educa para sua vida”, explica José Jean Souza da Silva, que estuda e compartilha seus conhecimentos sobre a prática em Garopaba.

“É uma forma de viver menos dependente, mais organicamente e menos mecanicamente”, completa. A alimentação, a respiração, os pensamentos e os movimentos do corpo são os pilares para a Autoeducação. “Hoje, o alimento foi transformado em produto industrializado e refinado, de onde foi retirado tudo de bom. Por isso, as pessoas estão cada vez mais parecendo máquinas, robôs, sem sentimentos, estão cada vez mais estressadas, ansiosas, depressivas, com problemas fisiológicos, psicológicos e espirituais”, defende Jean.

O estudioso acredita que a causa de desordens de saúde é o desvio dos seres humanos da Ordem Relativa do Universo. “Toda doença acontece pela inversão entre necessidade e desejo. A doença age como se fosse um alarme de uma casa que está pegando fogo, vem o bombeiro (médico) e corta o alarme, mas o incêndio continua, não se sabe por que o fogo começou”, exemplifica. “Nossa matéria prima, o combustível que nos alimenta e faz funcionar o corpo inteiro é o nosso sangue. Cada bocado de comida se transforma em cada gota de sangue. E o que comemos?”

Yin e Yang

A teoria de “yin” e “yang” é a essência desse estilo de vida – a ideia de que todos os fenômenos, incluindo os alimentos, têm qualidades energéticas, metafísicas e de que a harmonia acontece quando estes dois polos são constantemente equilibrados, desequilibrados e reequilibrados novamente. “Tudo está relacionado com essa ordem de antagônicos/complementares (positivo e negativo, sim e não, homem e mulher, quente e frio), conhecendo ou não essa ordem, ela age em tudo e todos no universo. Ela cria e destrói”, afirma.

Não existe dieta pronta!

Dentro dos estudos que vêm da raiz macrobiótica, não existem alimentos proibidos ou obrigatórios, mas há um consenso de alimentos com maior valor energético: cereais integrais, legumes, folhas, frutas, o mais natural e local possíveis e dentro da estação vigente. “Cada acontecimento em nossa vida pode se tornar uma oportunidade de autotransformação. Toda doença é consequência de nossa própria história. Se percebermos e transformamos nossos hábitos, ainda haverá tempo para mudarmos nosso destino. O milagre é possível quando é resultado de inumeráveis treinamentos aperfeiçoadores.”

Na Autoeducação Vitalícia, cada pessoa é responsável pela sua saúde, por meio de auto-observação e do compromisso com a ordem natural do universo. “Não adianta termos uma boa constituição fisiológica se a desperdiçamos, desrespeitando o nosso corpo, alimentando-o com os combustíveis errados. Pessoas longevas têm hábitos simples. É importante a qualidade da alimentação, do sentimento, da realização pessoal, do ambiente em que se vive. Precisamos cada vez mais confirmar a qualidade do diálogo que estabelecemos com tudo que existe para que nossa vida seja a expressão concreta da sintonia com o universo.”

Se interessou? O Jean deixou o contato para quem quiser dialogar sobre o tema ou se transformar. Whats app: 99970.6352.