Sagrado Masculino, o espaço está aberto

por | Maio 22, 2020 | Corpo e Mente, Espaço Holístico | 0 Comentários

Como terapeuta, vejo o sagrado masculino como a busca pelo ser divino que existe em cada um de nós, por reconectarmos com a verdadeira essência, aceitando nossas sombras e a nossa luz. Fomos acostumados pela sociedade a representar papéis desempenhados apenas por homens, decorrente de um sistema patriarcal em que o homem ocupava o lugar central na constituição familiar e social: devia proteger, prover e procriar. 

Depois, o homem passou a se envolver em outras atividades, participando do processo de criação e educação dos filhos, das lidas domésticas e dos problemas de relacionamentos da família. Tudo aquilo que a maioria dos homens lutava para esconder veio à tona e alguns de nós começaram a se perguntar o que fazer com tudo que foi reprimido durante tanto tempo, emoções que eram sinônimo de fraqueza e fragilidade. Em vão, os homens buscaram maneiras de lidar com a pressão interna e o gasto de energia para manter diversos papéis exigidos pela sociedade, como o provedor, o machão, o garanhão, o valentão que não leva desaforo pra casa, aquele que não tem problema, resolve tudo… Muitos encontraram refúgio nos vícios como o álcool, o tabaco, a pornografia e até mesmo na agressividade com aqueles que conviviam ao seu redor.  

Foi quando iniciativas surgiram para tentar encontrar as causas do problema e propor um caminho de melhora. Movimentos como rodas de conversa e círculos de homens para trabalhar questões íntimas, como abusos sofridos na infância, problemas no relacionamento conjugal, na relação com os filhos, pais, etc. Em Garopaba, o grupo se reúne para o diálogo sobre qualquer situação da vida pessoal. Todos têm espaço para expor os seus argumentos, sentimentos, experiências e buscar o entendimento de uma forma mais ampla. 

Estamos ainda no começo de uma grande jornada em busca da cura desse ser que possui tanto a energia do masculino quanto a do feminino dentro de si. O mais importante é começarmos a olhar para esse “local” dentro de nós e nos permitir sair da zona de conforto, daquele universo racional, onde tudo é resolvido pelo mental, deixando de lado o nosso coração. A subida até o cume da montanha é longa, mas os primeiros passos já foram dados. Agora é seguirmos em frente confiantes de que a cada dia podemos ser melhores homens e deixarmos uma melhor contribuição para as próximas gerações.

Ricardo Atma
Terapeuta Holístico