Saúde e imunidade

por | abr 28, 2020 | Corpo e Mente | 0 Comentários

Nunca antes em nossa sociedade foi dada tanta atenção aos fatores que auxiliam na manutenção da imunidade do corpo – o sistema que trabalha no combate aos desequilíbrios que afetam a saúde, como vírus, bactérias e disfunções. “Primeiramente vamos falar sobre o conceito de saúde da Organização Mundial de Saúde (OMS), que define saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social e, não somente ausência de afecções e enfermidades”, cita o Médico Octávio Castilhos Sehbe. “Partindo daí, já temos a ideia de que nosso corpo funciona como um sistema integrado, ou seja, quando se aborda medidas para manter a saúde em dia, deve-se levar em conta pelo menos esses três aspectos: físico, mental e social.”

Saúde x COVID-19

“Como estamos vendo, a população mais afetada pelo COVID-19 são as pessoas com comorbidades associadas, conhecidas ou desconhecidas. Esse fato nos confirma que um organismo em desequilíbrio é mais propenso a sofrer com novas enfermidades, entre elas infecções oportunistas como o vírus atual. Isso se chama fator hospedeiro, no qual é relativo para cada pessoa, pois depende de diversos fatores, desde genéticos e epigenéticos (ambientais)”, explica o médico.

“Nesta questão, os principais fatores são o inóculo (quantidade do vírus), a virulência, que é a capacidade de um vírus invadir, se multiplicar em um organismo e causar doença, e o fator hospedeiro, que é como o organismo vai reagir a tal exposição. É principalmente nesse caso em questão que podemos nos manifestar, através de medidas que melhoram o funcionamento do nosso corpo como um todo”, sugere Octávio.

Saúde sempre

Entre as ações que melhoram o desempenho da imunidade do corpo, o médico lista algumas dicas: 
– Dormir 8 horas por dia
– Fazer exercícios físicos regulares (caminhar é de graça!)
– Manter a exposição solar: 15% da superfície corporal, 10-20 minutos por dia
– Ter uma dieta colorida, rica em nutrientes como vitaminas, antioxidantes, minerais, probióticos, proteínas e gorduras essenciais
– Evitar estresse desnecessário. “O cortisol, hormônio do estresse, em quantidades elevadas e crônicas pode suprimir o sistema imunológico, além de ser o hormônio responsável por cerca de 90% das doenças (incluindo cardíacas, terminais e diabetes)
– Amar! “O amor ao ser sentido e cultivado pelo coração, libera altos níveis de ocitocina, hormônio que suprime outros relacionados à sobrevivência. Ou seja, uma pessoa com sentimento de amor não entra em situações de estresse, que preparam nosso corpo para sobrevivência, e mantém melhor sua imunidade”, completa.

Medo atrai doença

Na relação entre os hormônios do estresse e o sistema imunológico, as sensações de medo e preocupação são bastante atuantes e devem ser evitadas. “Quando um indivíduo está em situação de estresse excessivo e liberação do cortisol, ele fecha o sistema imunológico para conservar a energia do corpo para fugir dessa situação percebida. Esses hormônios são tão eficientes que médicos o administram antes de realizar transplantes em beneficiários, o que evita que o sistema imunológico reaja a um órgão estranho”, exemplifica o Médico Octávio.

“Todos os dias, os meios de comunicação bombardeiam a população com notícias negativas, despertando sentimentos de medo e preocupação. O potencial nocivo, ou causador de doenças, criadas pelas situações estressantes dependerá do tipo e da intensidade do estresse, mas dependerá sobretudo de sua repetição e duração ao longo da vida e da forma como cada um lida com ele. Se você procura se manter saudável, com boa nutrição, exercícios físicos, e principalmente, evitando o estresse (como o “medo” do vírus), mesmo que você se infecte com ele, provavelmente seu sistema imunológico vencerá a batalha. Deste modo, podemos fortalecer nossa saúde com práticas simples, como amar, perdoar, ser criativo e flexível durante esse tempo de mudança.”