Tantra: o caminho do amor

por | fev 26, 2020 | Corpo e Mente | 0 Comentários

Uma boa forma de começar a falar de Tantra é deixando claro o que “Não é Tantra”.  

Tantra não é sexo!


A principal associação no Ocidente em relação ao Tantra é com o sexo. “Infelizmente muitos profissionais promovem uma visão superficial e limitada, e muitas vezes irresponsável do Tantra, talvez pela fascinação que uma filosofia desrepressora e naturalista ocasiona numa sociedade de cultura repressora e conservadora. Reduzindo-o a práticas para melhorar a potência sexual, melhorar e multiplicar os orgasmos e técnicas de sedução e para manter os relacionamentos”, explica a terapeuta tântrica Leia Martins. Mas não é nada disso!

“O sexo no Tantra é visto como algo natural e sagrado. É um dos meios, através principalmente do Maithuna (ritual sexual tântrico), de se alcançar a iluminação pela elevação da Kundalini (força de energia criativa presente em todas as pessoas, localizada na coluna vertebral) ”, informa Leia. Em outras palavras, “O Tantra pode ser o caminho para um estado meditativo e de prazer, além de uma conexão de alma com seu parceiro. Você pode sentir a iluminação que é estar conectado com todo o Universo”, completa o terapeuta Deva Okmar Anand (João Molden).

“Para o Tantra, não existe sexo sujo, não existe o conceito de ‘certo’ ou ‘errado’ e nem depravado como a nossa sociedade judaico-cristã pensa. Nós não nascemos do pecado, muito pelo contrário, nós fomos criados através de uma das maiores demonstrações de amor e conexão que podemos ter. Nosso corpo é sagrado e foi concebido através de um ato igualmente sagrado”, pontua a terapeuta Leia.

O Tantra lida com o sexo como uma manifestação natural, assim como tudo na vida. Para o tantrismo, a relação sexual é um momento em que os amantes se libertam do seu ego e estão em estado de meditação. “Não existe nenhuma relação de dominância, as energias se equilibram e se misturam e a consciência está no momento, nas sensações. É quando há uma relação plena de confiança e respeito, vulnerabilidade e reverência um pelo outro. Um caminho de intimidade profunda. Quando o orgasmo genital deixa de ser prioridade e a conexão dos sagrados masculino e feminino prevalece”, exemplifica. 

Uma prática de vida

“O Tantra ajuda a abrir seu coração, permitindo sentir e aceitar sua luz e suas sombras para que você possa seguir de forma mais natural e intuitiva, livre dos medos que geralmente nos bloqueiam. Tantra é amor. Amor por você e pelos outros”, sugere o terapeuta Deva Okmar.

Segundo Leia, praticar o tantra é dissolver o ego e encontrar sua essência. “O Tantra propicia o autoconhecimento. E quando você se conhece você pode controlar suas energias, porque nada que não é conhecido pode ser controlado. Aí sim, você vai realmente ter consciência do que é conveniente e o que não é para você. E poderá experimentar o que quiser, sempre com amor, compaixão e respeito por você e pelo seu corpo”, convida. “Tantra é sobre consciência da sua vida, de seus sentimentos, emoções e do seu corpo. Dentro desse bolo todo, a sexualidade é uma energia forte que está naturalmente inclusa. E que quando conhecida e controlada, pode te levar a estados de amor, prazer e empoderamento e consciência elevadíssimos.”

Tantra não é religião!


Apesar de algumas vertentes tântricas idolatrarem deuses hindus, a filosofia em si os trata como uma força divina está dentro de você. “Seria como o nosso inconsciente, que registra nossas experiências e que se manifesta indiretamente através de nossas ações, bloqueios, valores e sentimentos. O Tantra não tem restrições e pode ser seguido por fiéis de qualquer religião”, alerta a terapeuta. “No íntimo, é uma escola que facilita a busca pelo autoconhecimento e o amadurecimento saudável, propõe transformações dos nossos limites, o aquietamento da mente e dos desejos do ego e a procura pelo reconhecimento de nossa iluminação, que já existe e está dentro de nós.” 

“O tantrismo é uma busca experimental que visa eliminar o sentido ilusório e conflitual de ser um ego. Separado, a fim de nos conduzir à consciência de nossa verdadeira realidade, que é eterna às nossas energias físicas, sexuais e mentais, ensinando-nos a ver caráter sagrado em toda a vida. O Tantra é ciência pura. Você pode transformar a si mesmo, e essa transformação precisa de uma metodologia científica. As centenas de técnicas tântricas constituem a ciência da transformação. Ele não cuida do que você faz. Ele cuida do que você é, do seu centro. Da sua consciência.
O Tantra diz para aceitar o que você é. Você é um grande mistério de energia multidimensional; aceite isso e mova-se com toda a energia, com profunda sensibilidade, atenção, amor e compreensão. Mova-se assim e então cada desejo torna-se uma ajuda para usa iluminação, então este próprio mundo é Nirvana, este próprio corpo é templo – Um Templo Sagrado.” (Osho)

Um estilo de ser


Essa uma ferramenta de expansão de consciência utiliza todos os corpos ou elementos do ser: corpo, mente, emoções, sexualidade, sombras, consciência, etc.”, explica Otávio Leal, no livro “Tantra – Da sexualidade a iluminação”. “Ao contrário do que parece, viver o caminho do Tantra não é fácil. Somos criados para negar nosso corpo, para condenar nossos prazeres e a reprimir nossas emoções e vontades.

Praticar o Tantra exige encarar suas sombras e aceitá-las, exige abrir mão do seu ego e se mostrar vulnerável. Exige estudo, dedicação, tempo e disciplina. Nada é negado. Tudo pode ser um trampolim para a plenitude.

 Mas de nada adianta aproveitar todos os estímulos externos se não olhamos para quem somos”, reforça a Terapeuta Leia Martins

 

 O modo de vida do Tantra não busca o “Por que” e sim o “Como”. Em vez de se preocupar com o motivo do sofrimento, se busca uma maneira de ser feliz, uma filosofia comportamental que estimula a descobrir quem você é e como ser pleno, maduro, liberto do ego, livre, energético e, dentro do possível, autossuficiente. Ele sacraliza tudo na existência: pessoas, animais, natureza, dança, música, alimentos, ciclos naturais, coisas simples do cotidiano e também o sexo, que tem como base o amor, a vitalidade e o compartilhamento. A ferramenta ainda envolve métodos práticos e técnicos, como posturas físicas (ásanas e yoga), respirações, concentrações, cuidados com a alimentação, e um universo de técnicas que se utiliza na vida como um todo de forma plena e libertária, como a massagem Tântrica. “Ela é capaz de despertar a consciência da Bioeletricidade, aumenta os níveis de endorfina, serotonina e ocitocina e potencializa as ondas de prazer, além de possibilitar orgasmos secos e múltiplos.

___________________________________________________________________________________________________________________________________________

Abhaya Prem (Leia Martins)
Psicoterapeuta – Pós-graduada em Psicologia e Sexualidade, Coaching, Terapeuta Corporal, Renascedora, credenciada a Rede Metamorfose de terapia Tântrica

 

Instagram @leiamartinsterapeuta
youtube: Leia Martins
Contato: (47) 99692.0265
E-mail: abhaya.prem@gmail.com