Selecione a página

ENCANTOS DA TERRA: GAMBÁS OU SARUÊS

por | jan 14, 2020 | Meio Ambiente | 0 Comentários

“O gambá não é um roedor como muitos pensam. Também não transmite doenças como leptospirose. Ele é nosso parente mais próximo dos cangurus Australianos. A fêmea possui um marsúpio, que nada mais é uma bolsa envolta da barriga para abrigar seus filhotes. Alguns deles saem se grudam nas costas da mãe”, completa o biólogo. São onívoros, alimentam-se de praticamente de tudo: raízes, frutas, vermes, insetos, moluscos, crustáceos (caranguejos encontrados em zonas de manguezais), anfíbios, lagartos, aves e cobras, pois é imune ao veneno de serpentes.

Em locais urbanos pode alimentar-se de ovos e aves e de resíduos orgânicos (sobras da alimentação humana e de animais domésticos). “São importantes agentes da vida silvestre, da cadeia alimentar, como toda a natureza. Ajudam na flora e enriquecem a fauna local. Sua principal ameaça de vida somos, nós seres humanos”.

“Muitas pessoas, sem conhecimento, acabam matando e caçando gambás ou desmatando florestas de forma irregular, onde é seu abrigo natural. Por ser um animal lento, também ocorrem diversas mortes por atropelamento de veículos. Precisamos, mais que nunca preservar nossas matas e florestas, pois apesar de ter hábitos no meio urbano o gambá tem como habitat a floresta.”

Os Gambás ou Saruês) não são roedores, eles pertencem à família dos marsupiais, a mesma dos lindos Cangurus lá da Austrália.

No Brasil, existem duas espécies de Saruê: o Gambá de Orelha Branca (F) (Didelphis albiventris)
e o Gambá de Orelha Preta (Didelphis aurita) – espécie mais comum na região.

O gambá de orelha preta é mais adaptado a viver em ambientes antropizados, ou seja, estão mais
acostumados a conviver próximo ao ser humano. “O nome científico Didelphis significa “útero
duplo”. Sua pelagem é baixa, não é uniforme, dando aspecto de bagunçado. A cauda é pelada,
forte e é preênsil, o que facilita sua na locomoção, assim como as patas adaptadas para subir
em galhos, cipós e árvores”, explica o Biólogo Roberto Luciano Lisboa Silva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *