coração, o palácio da sinceridade

by | Jan 14, 2020 | Colunistas | 0 comments

Coração, o palácio da sinceridade

Os acidentes cardiovasculares matam mais do que outros acidentes, catástrofes e doenças.     

Quando ou por que será que isto começou?

Foi quando dissemos a primeira mentira. É isto! O coração sofre com a mentira. Ele é o palácio da sinceridade na visão da Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Sua expressão é a palavra, a palavra sincera, verdadeira, que brota do âmago do nosso sentimento. E mentimos. E a pior mentira é aquela que dizemos para nós mesmos. Mentira de que o casamento está legal, que o trabalho realiza, que o amigo é leal, que os filhos são amáveis… Quando muitas vezes não é bem assim, é tudo mentira, para não sairmos da zona de conforto. Porque o novo assusta. “Está tudo bem ruim, mas estou sobrevivendo.” 

E se eu pular fora da situação que me oprime, será que sobrevivo? Somos covardes e nos merecemos pouco. A vida é para ser vivida em plenitude, em abundância! Ficar na sua casinha, no sofá é seguro, mas não tem êxtase. E como dizia o Raul Seixas, “Eu é que não me sento no trono de um apartamento com a boca escancarada cheia de dentes esperando a morte chegar…”

Quando nos arriscamos e saímos da zona de conforto, vem a zona de aprendizado, muitas vezes, depois a de pânico, que se assemelha a uma volta na montanha russa, mas depois passa, e vem a zona da magia, do êxtase, do deslumbramento, na confiança de que a criação nos fez para a felicidade, para o amor e para a saúde. 

Então vamos lá! Num movimento de se comprometer com a verdade, uns com os outros e conosco mesmos. E assim, preservarmos nosso coração para sua real função, que é amar, amar, amar!

Namastê!

Por Elizabeth Hoffmann
Terapeuta Integral e Acupunturista